Famílias do Circo Vitória precisam de ajuda

Surpreendido pela pandemia, o circo não pode deixar a cidade e nem promover espetáculos. 

O Circo Vitória se viu diante de uma realidade única e dura nos seus 27 anos de existência, ao ser pego de surpresa pela pandemia do coronavírus quando se apresentava no Guará há mais de dois meses.  Sem poder deixar a cidade e tendo que suspender seus espetáculos, a atividade circense não pôde ser incluída no recente decreto do Governo do Distrito Federal que liberou os cinemas, porque depende de alvará eventual. A previsão é que essa liberação aconteça somente a partir de fevereiro, quando está previsto o início da vacinação contra a Covid-19. Ou seja, um ano depois do circo fechado.

O período sem trabalho e sustento aliado à redução da capacidade de doação dos moradores, começa a preocupar os integrantes do circo, que contam apenas com o básico. As 20 pessoas que estão morando no local dependem da ajuda dos moradores da região para poderem se manter e estão vendo a solidariedade através de doações. A maior parte dessas doações tem vindo de quatro a cinco pessoas e do condomínio de um edifício residencial próximo.

A situação tem mobilizado uma campanha nas redes sociais da cidade para arrecadar doações que possam reforçar e melhorar a alimentação dos integrantes do circo. Sem essa ajuda, eles contam apenas com a promessa da liberação de recursos de projetos sociais do governo, como da Lei Aldir Blanc, de apoio à cultura, ou do projeto Prato Cheio, da Secretaria de Desenvolvimento Social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *