Projeto Almoço Musical

Restaurante comunitário da Estrutural recebe música na hora do almoço

Foto: Arquivo pessoal/Patrícia Cyriaco

Todas as terças-feiras, a partir das 11h, a flautista e servidora de carreira da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), Patrícia Cyriaco, apresenta repertório clássico e popular para o público que frequenta o restaurante comunitário da Estrutural.

Com a promessa de repertório variado nas apresentações, a musicista explica que “teremos música popular brasileira, choros, sambas e música erudita de diferentes períodos da história da música”. 

Patrícia tinha o hábito de estudar no local de trabalho e isso proporcionou juntar a necessidade de praticar a execução instrumental da flauta transversal e tocar músicas para as pessoas apreciarem. 

Desde maio o projeto Almoço Musical está em vigor no restaurante comunitário e já executou peças famosas como a ária da Bachiana nº 5, de Heitor Villa-Lobos; Carinhoso, de Pixinguinha; Carioquinha, de Waldir Azevedo; Garota de Ipanema, de Tom Jobim; e o primeiro movimento da Sonata em sol menor, de Bach.

O som da flauta transversal ecoa calmaria e sutileza nas notas tocadas pela artista, onde há a quebra do ritmo frenético no dia-a-dia dos frequentadores no horário de almoço. “Certa vez percebi que as crianças e jovens, ao irem chegando para o turno da tarde, ficavam curiosas e surpresas”, afirmou Cyriaco.

Na apresentação dessa quarta-feira, a flautista selecionou, como principais destaques Yesterday, do repertório dos Beatles; Asa Branca (Luiz Gonzaga), O barquinho (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli) e Brasileirinho (Waldir Azevedo).

O secretário de Desenvolvimento Social, Ricardo Guterres, aproveita para reforçar o convite à comunidade. “Temos 14 restaurantes comunitários; se você é artista e quer apresentar seu trabalho, essas unidades estão de portas abertas. Basta escolher alguma deles e procurar pelo gerente local”.

Biografia

Desde pequena, Patrícia Cyriaco teve contato com a música por influência de seu pai. A carioca gostava de ouvir ópera e colocava diferentes peças no toca-discos. “Alíás, discos de vinil eu conservo até hoje”, conta a artista.

Em Brasília, começou a estudar flauta-doce com a avó materna.  Aos 13 anos, ingressou na Escola de Música de Brasília (EMB), onde se formou no curso técnico de flauta transversal e de lá seguiu carreira, ingressando no bacharelado em flauta transversal e licenciatura em música pela Universidade de Brasília (UNB).

* Com informações da Sedes


Por Gabryel Jackson

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *