Câmara Legislativa do DF debate privatização da CEB

Foto: Lilian Tahan

A Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) discutiu na última quinta-feira (29/8), a proposta de privatização da Companhia Energética de Brasília (CEB) na audiência pública organizada pelo deputado Prof Reginaldo Veras (PDT). No debate estavam presentes também representantes dos trabalhadores da companhia e especialistas do âmbito.

A privatização da CEB, acordo assinado entre o Governo do Distrito Federal (GDF) com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no dia 13/8, tem o objetivo de conceder ao Banco a execução e coordenação da produção de estudos técnicos. 

Na assinatura do contrato (13/8), o governador Ibaneis Rocha destacou que a iniciativa é necessária, já que “o país como um todo não possui condições financeiras de arcar com as necessidades da sua população e elas cada vez aumentam mais em virtude do empobrecimento do país”.

Já em debate (29/8), Maximiliano Garcez, presidente da Associação Brasileira de Advogados Sindicantes, disse que a tentativa do governador de tentar vender a CEB sem autorização legislativa não está de acordo com a decisão do STF, que nem foi publicada ainda e tem caráter liminar. Para ele o que o governo está fazendo se trata de “uma manipulação, um desvirtuamento que não resiste a nenhuma análise jurídica, além de um desrespeito à população do DF, que elegeu os deputados distritais.”

Presentes na audiência debatedora, os deputados Chico Vigilante, Érika Kokay e Arlete Sampaio (ambos do PT-DF), enfatizaram a condenação do ato de privatização e concordaram na implementação de um plano de recuperação.

“O governo quer entregar a distribuição, que é a mais importante para a população. Duvido que uma empresa privada vai investir em áreas carentes”, completou Arlete na fala à Câmara e terminou assinalando que o governo vigente desrespeita a Câmara Legislativa ao tentar vender a empresa, passando por cima do Legislativo.

Por Nicoly Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *