Secretaria de Saúde confirma três casos de sarampo no Distrito Federal

Pasta considera situação do Distrito Federal alarmante e aconselha a população atualizar o cartão de vacina.

Imagem: Agência O Globo

Nesta última terça-feira (20), a Secretaria de Saúde, em uma coletiva de imprensa, confirmou três casos de sarampo no Distrito Federal. De acordo com a pasta gestora, os casos estavam sendo estudados desde 9 de agosto e foram contraídos fora da cidade.

Durante a coletiva, a secretaria informou que das três pessoas infectadas, dois são irmãos e foram contaminados por outro irmão que mora na cidade de São Paulo, no qual estava visitando a família em Brasília. Já o terceiro caso, a pessoa contraiu a doença em uma visita feita também na região paulistana.

Segundo a enfermeira da Gerência de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis e de Transmissão Hídrica e Alimentar, Rosa Mossri, o DF se encontra em estado de alerta e a população deve atualizar o cartão de vacina o quanto antes “Ainda não é o caso para uma campanha de vacinação, doses extras, dia ‘D’. Mas recomendamos a população a manter o cartão de vacinação em dia.” afirmou Rosa.

Só no ano de 2019, a capital foi notificada por 42 casos com suspeita da doença, destas, 34 foram descartadas, três foram confirmadas e cinco ainda estão em análise pela Secretaria.

Doença

O sarampo é uma doença viral aguda de alta transmissibilidade. É suspeito de ter a patologia todo indivíduo que apresenta febre alta acima de 38,5ºC e manchas avermelhadas pelo corpo, acompanhadas de um ou mais dos sinais e sintomas: tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite, independentemente da idade e da situação vacinal.

Prevenção

A prevenção do sarampo é a vacina tríplice viral, disponível em todas a rede de saúde do Distrito Federal. Ela protege contra caxumba, sarampo e rubéola, e é aplicada aos 12 meses de vida. A tetra viral também protege (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) e é aplicada aos 15 meses.

As pessoas com idade entre um ano e 29 anos, que não foram vacinadas anteriormente, ou que não têm como comprovar se foram, recebem duas doses da tríplice viral, com intervalo de 30 dias entre elas. Quem tem entre 30 a 49 anos recebe apenas uma dose. Pessoas maiores de 50 anos não precisam se vacinar, pois o Ministério da Saúde parte do pressuposto que a pessoa já teve sarampo ou contato com o vírus, por isso, criaram anticorpos.

*Com informações da Secretaria de Saúde

Por Liliana Lima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *