Proposta do Ministério da Economia causa transtorno para servidores

No primeiro dia de vigência da proposta forçada, foi presenciada uma fila de espera para a abertura do ministério às 8h.

Foto: José Cruz (Agência Brasil)

Nesta segunda-feira (26), iniciou a determinação de ações que visam diminuir e economizar 336 milhões só neste ano. Foram relatadas, também, dificuldades em execução de tarefas dentro do ministério da economia, necessitando do auxílio de lanternas.

Segundo relato dos servidores dos órgãos vinculados ao ministério, a medida foi prejudicial  para as atividades da semana.

Veja alguns deles:

  • Agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) precisaram trabalhar à luz de lanternas;
  • Servidores da Controladoria-Geral da União (CGU) tiveram de interromper a análise de documentos; e
  • Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) foi obrigado a suspender aulas de mestrado oferecida no período noturno.

O presidente do Sindicato Nacional dos Auditores e Técnicos Federais de Finanças e Controle (Unacon Sindical), representante do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas do Estado (Fonacate) e dos servidores do Tesouro Nacional, Rudinei Marques, alega que a economia prevista com energia elétrica é muito pequena diante dos problemas que a medida pode causar às atividades dos órgãos vinculados à pasta.

Por Mariana Araújo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *